Uso de drones e soluções inteligentes no campo


Os drones vieram para ficar. No campo, a ferramenta vem sendo percebida cada vez mais como instrumento de mudanças importantes, levando soluções inteligentes e eficientes para a agricultura e pecuária. Em Itabira, o Sindicato dos Produtores Rurais identificou a demanda e ofereceu duas capacitações do Sistema FAEMG no Parque de Exposições Virgílio José Gazire.


O instrutor Diego Pacheco apresentou as diferentes categorias, no uso recreativo ou profissional, e de que forma o campo pode se beneficiar dessa tecnologia. Os alunos também aprenderam sobre as formas de pilotagem manual, autônoma e automatizada, e suas respectivas permissões de uso.


“Há um drone adequado para cada objetivo. Desde a pulverização com menor custo em comparação com aeronaves tripuladas, até a identificação e contagem de cabeças de gado. A tecnologia tem otimizado os trabalhos e a produção em pequenas, médias ou grandes propriedades”.


Euclides de Souza, 40, passou pela experiência da capacitação. Ele conheceu várias funcionalidades e vantagens que sequer imaginava que existiam. Inclusive, para substituir o homem em atividades que podem colocar sua vida em risco de alguma forma. Outra descoberta foi em relação à economia nos custos, e saber que o manuseio é possível para todos os públicos, desde que haja qualificação básica com noções da legislação, planejamento da operação com uso de aplicativos, até o conhecimento da plataforma para solicitar voos, evitando a invasão em rotas aéreas de meios tripulados, como medida de segurança.


“Vimos que o nicho de mercado está em plena expansão e que o investimento pode soar alto, a princípio, entre R$5.000 a R$10.000, mas ele se paga entre o primeiro e o segundo mês, seja na própria propriedade ou para quem quer ser prestador de serviço ao produtor. É um avanço e o Sistema FAEMG passou a mensagem perfeitamente”, comentou Euclides.



Soluções para o produtor


Na agricultura e pecuária, a tecnologia gera dados e informações importantes. Por exemplo, quando for identificada uma área que esteja sofrendo com pragas, é possível atuar somente no espaço desse hectare que precisa de intervenção, ao invés de aplicar o defensivo nas demais áreas da plantação.


Além disso, os drones têm a capacidade de monitorar áreas desmatadas, fazer a medição da propriedade, oferecer análise da plantação, identificar focos de incêndio e nascentes, fazer acompanhamento de pastagem e a contagem do rebanho, gravar imagens aéreas para facilitar a venda da propriedade e monitorar o desmatamento em áreas de difícil acesso. Soluções que prometem poupar tempo, energia e insumos durante o manejo, com ações mais assertivas e focadas”, concluiu o instrutor.



Fonte: Sistema FAEMG

11 visualizações